sábado, 22 de julho de 2017

Iphone 7 Plus: A lógica burra e retrógrada

Ao longo dos últimos seis anos eu tive celulares Nokia, Samsung, LG e, por último, seguindo a onda da publicidade, um Iphone 7 Plus. Entretanto, contrariando todas as minhas expectativas, este último é, de longe, o pior de todos eles, especialmente nos quesitos facilidade de uso, funcionalidade e ergonomia.
Vejam abaixo a relação de algumas fragilidades importantes e descubra porque é tão comum se ver usuários de Iphone passando o dedo sobre a tela, feito um tonto, trocando-o de mão ou olhando dos lados do mesmo, como se estivesse em busca de alguma coisa perdida no aparelho.
N
Função
Como é no Iphone
1
Câmera fotográfica
O ângiulo da lente é muito fechado, prejudicando, principalmente, as fotos tiradas com a câmera frontal e selfies. Nestas, quase sempre aparece apenas a testa do operador
A qualidade da imagem, com 12 Mpixels, perde de longe para o Nokia, com 40 MPixels e para o LG, com 16 Mp.
2
Dicionário e corretor ortográfico bizarros
Palavras digitadas erradas são todas incorporadas ao dicionário. Uma idiotice inédita! E, a partir daí, sempre que se tenta digitar algo parecido, o sistema te apresenta aquela “palavra” como sugestão prioritária, te obrigando a ter que apagar esse lixo todas as vezes.
O pior: ao contrário de todos os celulares atuais, o usuário não tem acesso ao dicionário para excluir palavras erradas. Fica condenado a conviver com aquela perturbação para sempre.
3
Sem saída para fone de ouvido
Simplesmente não existe. Numa espécie de gambiarra, aproveitaram a mesma saída usada pelo carregador, o que impede ao usuário ouvir música enquanto carrega a bateria. Eu, por exemplo, costumo ouvir audiolivros e documentários durante a noite, mas necessito da bateria carregada no dia seguinte. Impossível! Ou um ou o outro, pois a entrada é uma só.
4
Ergonomia
Dada a má distribuição das muitas teclas, sem nenhuma observação de princípios da ergonomia, é impossível usar a grande maioria das funções com uma mão só, como é comum em praticamente todos os celulares modernos, a menos que se queira correr sério risco de deixar o telefone cair.
5
Dispersão de botões
O uso dos botões de controle e de funções do celular, em algumas ocasiões, torna-se um difícil exercício mental, mais parecida com uma brincadeira de “caça ao coelho”, tamanha a dispersão das teclas a serem usadas.
Não há nenhuma lógica que norteie, por exemplo, as ações de ir adiante e retornar na operação dos aplicativos. A sequência das teclas usadas é absolutamente aleatória e acaba deixando o usuário desnorteado, pois não saberá se a tecla seguinte está no canto superior esquerdo ou direito, se está em algum dos cantos inferiores, se está no meio da tela ou se está em um dos cinco botões externos localizados na carcaça do aparelho.
Por isso, é muito comum se ver usuários de Iphone passando o dedo sobre o aparelho, feito um tonto, trocando-o de mão ou olhando dos lados do mesmo, em busca de uma tecla perdida. 
6
O bizarro Botão Iniciar
A operação de quase todas as funções requer a utilização de um certo Botão Iniciar localizado na extremidade inferior do aparelho. Uma tecla estranha e mal localizada, mas à qual se tem que recorrer sempre.
Além de ser de acesso difícil, este botão pode ser acionado por um, dois ou três toques, dependendo do que se quer fazer, sendo que, em alguns casos, se for acionado com uma pressão maior aciona uma função, se acionado de leve aciona outra. Mas se você demora alguns milissegundos apertando, a função acionada será outra. Além disso, há funções que são acionadas passando o dedo de leve sobre esse botão.
Então, esquece! Ninguém vai aprender isso nunca!
7
Chaves de liga e desliga diferentes, separadas e distantes entre si
Contrariando todos os sentidos de lógica e de ergonomia, a maioria das funções são ligadas numa tecla e desligadas em outra, muitas vezes localizadas fisicamente distantes entre si. Às vezes se liga numa tecla física e desliga em outra touchscreen, longe dali.
Por exemplo, você liga a tela no botão iniciar, na extremidade inferior do aparelho e desliga na lateral direita, extremidade superior.
8
Botões demais pra umas coisas e de menos pra outras.
Há três teclas físicas, tipo miniaturas de apagador de lâmpada antigo, apenas para controle de som: Uma aumenta o volume, outra baixa e outra silencia.
Por que tanto exagero aqui, enquanto economizam na saída de fone de ouvido?
9
Lógica retrógrada.
A lógica dos programas me lembra um Motorola que eu tive há 15 anos atrás. Não tem atalhos e, ainda, se perde.
Por exemplo, se numa pesquisa pela Internet, um site te remete a outro, que, por sua vez, te remete a outro, etc, ao chegar no final, o lógico seria retornar ao ponto de origem com um simples toque, certo?!
Mas, não. O Sistema Operacional simplesmente se perde. Então, só lhe resta voltar passo a passo, de marcha ré, até identificar de onde saiu, ou então, derrubar o programa e começar tudo de novo..
Essa lógica retrógradas acima, funciona assim para praticamente todas as versões de aplicativos que eu instalei até agora.
10
Agenda de contatos modelo anos 80
A agenda de contatos simplesmente não permite qualquer organização, seleção ou critério. Eu impostei minha agenda do Google, com mais de 15.000 contatos, mas quando tentei armazenar no celular apenas os que me interessavam, definido os critérios, como se faz em todos os sistemas concorrentes, isso não foi possível.
Eu li que se o usuário se sujeitar a ficar cativo o sistema Icloud para manter a agenda de contatos e de compromissos, consegue-se algumas facilidades. Mas eu me nego a tal controle.
11
Aplicativos caros e de qualidade lógica inferior
Se para o Windows Phone e para Android você tem 90% dos aplicativos desejados gratuitos, no IOS 90% deles são pagos e, pior, não rodam com a mesma capacidade operacional. Sempre têm carência de alguma função. Por exemplo, no Facebook versão IOS faltam pelo menos 5 funções que os demais possuem.
Diante dessas constatações e muitas decepções depois, não me resta nada a não ser torcer para que eu me acostume com a lógica retrógrada outra vez e que esse aparelho dure duas vezes e meia a mais, que foi a diferença de preço que paguei.

* Marcio Almeida é Engenheiro Mecânico e Engenheiro Industrial, Administrador de Empresas, MBA em Gestão Governamental e Ciência Política, Especialista em Informática, ex Coordenador Geral de Modernização e Tecnologia nos Ministérios da Justiça e do Trabalho e Emprego, pesquisador autodidata em Nutrologia e Nutrição Esportiva, História e Sociologia, Meio-Maratonista, ex Diretor de Auditoria Legislativa e ex Presidente de Processos Disciplinares na Administração Federal Brasileira, MM

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Suplementação Ortomolecular


Muitas pessoas confundem as cápsulas de suplementos com remédio. Mas elas não passam de extratos dos alimentos comuns, que comemos no dia a dia.
Como é praticamente impossível manter uma alimentação diversificada e equilibrada, que nos assegure todos os nutrientes necessários, a suplementação torna-se conveniente.
Nesta matéria sugerimos alguns grupos, contendo os nutrientes considerados essenciais, com a sugestão das dosagens mais apropriadas às pessoas que fazem atividades físicas intensas.  Caso você não tenha um ritmo pesado, as quantidades devem ser reduzidas. 

Combater/prevenir tristeza e depressão
Curcumina
200mg
Theanina
200mg
Tirosina
500mg
DMAE
100 mg
Ginkgo Biloba
500 mg
Vitamina D3
1000 mg
Obs.: Associados a Atividade física regular.


Preservar os níveis de hormônios sexuais
Ornitina
300mg
Lisina
500mg
Arginina
1,5g
Tribulus Terrestris
200 mg



Aumentar/preservar massa muscular
(necessariamente associados a exercícios físicos)
Leucina
1,5 g
Uma dose antes e outra depois da atividade física
Isoleucina
1,0g
Valina
1,0g
Tribulus Terrestris
200 mg
Uma dose diária
Vitamina B6
50 mg



Prevenir envelhecimento precoce
Vitamina D3
1000 mg
DMAE
100 mg
Curcumina
100 mg
Vitamina C
80 mg
Beta Caroteno
50 mg
Vitamina E
400 Ui
Omega 3
300 mg
Selênio
30 mcg
Zinco
30 mg



* Marcio Almeida é Engenheiro Mecânico e Engenheiro Industrial, Administrador de Empresas, MBA em Gestão Governamental e Ciência Política, Especialista em Direito Administrativo Disciplinar, pesquisador autodidata em Nutrologia e Nutrição Esportiva, História e Sociologia, Meio-Maratonista, ex Diretor de Auditoria Legislativa e ex Presidente de Processos Disciplinares na Administração Federal Brasileira, MM

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Quem é Lula?

O Worldpress o qualificou como "O pilantra que enganou o mundo" e Wall Street Journal como "Uma fraude que enganou o mundo", nos envergonhando perante a comunidade internacional civilizada. Mas a construção dessa farsa vem de longa data.

Eu conheço essa figura muito bem desde o início dos anos 80, quando eu era Engenheiro na indústria metalúrgica em Contagem. Não só eu, mas todos conheciam esse falastrão, exceto os ingênuos metalúrgicos de chão de fabrica que eram usados por ele como massa de manobra, enquanto ele chantageava os empresários em São Paulo, promovendo e encerrando greves de acordo com as suas conveniências pessoais, reveladas agora que era tudo condicionado a propinas.

Esse folgado nunca trabalhou na vida, já tendo, inclusive, confessado que cortou o dedo pra forçar uma aposentadoria precoce. E, com sua esperteza perversa e sua lábia ferina, perverteu a lógica da relação de emprego, ensinando que o trabalhador deve hostilizar e combater o seu empregador, ao invés de somar forças e crescer com ele. Ensinando-o a chantagear e expor publicamente quem lhe paga o salário, ao invés de enfrentar o mercado e procurar um emprego melhor.

Depois, quando esse senhor assumiu o governo do meu país, em 2003, eu era Servidor Público Federal de carreira e ocupava cargo de assessor especial de Ministérios, especificamente, na ocasião, no Ministério do Trabalho. Foi aí que eu descobri a verdadeira dimensão da falta de caráter desse elemento, pois a essa altura, ele já tinha se aliado a grande parte do empresariado corrupto, usurpador e oportunista e já estava comprometido com milhares de asseclas sem caráter, que foram "enfiados" em cargos no governo, em sua grande maioria, vagabundos, ignorantes e avessos ao trabalho.

Nos primeiros escalões do governo, ele lotou os cargos, priorizando seus companheiros, muitos dos quais incompetentes e de péssima índole, que perseguiam e isolavam qualquer servidor que contrariasse seus propósitos delituosos. E, no cumprimento do meu dever de ofício, me coube processar administrativamente um desses seus protegidos. Depois disso, passei a ser denegado para ocupar novas funções, tendo vários pedidos indeferidos. Sofri retaliações e perseguições de toda ordem, incluindo a retomada injustificada do apartamento funcional onde, por direito legítimo, eu morava com meus filhos havia 9 anos, além da imposição de uma espécie de "castigo" compulsório, que me deixou ocioso em casa, sem ter onde trabalhar por mais de um ano e meio. Em consequência de toda essa arbitrariedade, eu tive a minha carreira praticamente inviabilizada por mais de dez anos.

Por estas e por mais um sem número de razões, eu acredito que esse cara é o maior falsário da história da humanidade, o maior cretino e o pior verme político de que se tem notícia.

Eu vivenciei a sua história.

* Marcio Almeida é Engenheiro Mecânico e Engenheiro Industrial, Administrador de Empresas, MBA em Gestão Governamental e Ciência Política, Especialista em Direito Administrativo Disciplinar, pesquisador autodidata em Nutrologia e Nutrição Esportiva, História e Sociologia, Meio-Maratonista, ex Diretor de Auditoria Legislativa e ex Presidente de Processos Disciplinares na Administração Federal Brasileira, M∴M.

terça-feira, 6 de junho de 2017

Quem é Lula?

O Worldpress o qualificou como "O pilantra que enganou o mundo" e Wall Street Journal como "Uma fraude que enganou o mundo", nos envergonhando perante a comunidade internacional civilizada. Mas a construção dessa farsa vem de longa data.

Eu conheço essa figura muito bem desde o início dos anos 80, quando eu era Engenheiro na indústria metalúrgica em Contagem. Não só eu, mas todos conheciam esse falastrão, exceto os ingênuos metalúrgicos de chão de fabrica que eram usados por ele como massa de manobra, enquanto ele chantageava os empresários em São Paulo, promovendo e encerrando greves de acordo com as suas conveniências pessoais, reveladas agora ter sido tudo condicionado a propinas.

Esse folgado nunca trabalhou na vida, já tendo, inclusive, confessado que cortou o dedo pra forçar uma aposentadoria precoce. E, com sua esperteza perversa e sua lábia ferina, perverteu a lógica da relação de emprego, ensinando que o trabalhador deve hostilizar e combater o seu empregador, ao invés de somar forças e crescer com ele. Ensinou a chantagear e expor publicamente quem lhe paga o salário, ao invés de enfrentar o mercado e procurar um emprego melhor.

Depois, quando essa praga assumiu o governo do meu país, eu era assessor especial de Ministérios, funcionário de carreira concursado da Administração Federal.
Foi aí que eu descobri a verdadeira dimensão da falta de caráter desse elemento, pois a essa altura, ele já tinha corrompido grande parte do empresariado usurpador e oportunista e já estava comprometido com milhares de asseclas sem caráter, que foram "enfiados" em cargos no governo, em sua grande maioria, vagabundos, ignorantes e avessos ao trabalho.

E nos cargos de primeiro escalão, lotou o governo de criminosos que perseguiam e isolavam quem contrariasse seus propósitos delituosos. E, no cumprimento do meu dever de ofício, eu processei administrativamente um desses criminosos e, por isso, fui perseguido e praticamente tive a minha carreira inviabilizada por mais de dez anos.

Por estas e por mais um sem número de razões, eu acredito que esse cara é o maior falsário da história da humanidade, o maior cretino e o pior verme político de que se tem notícia. Eu vivenciei a sua história.

* Marcio Almeida é Engenheiro Mecânico e Engenheiro Industrial, Administrador de Empresas, MBA em Gestão Governamental e Ciência Política, Especialista em Direito Administrativo Disciplinar, pesquisador autodidata em Nutrologia e Nutrição Esportiva, História e Sociologia, Meio-Maratonista, ex Diretor de Auditoria Legislativa e ex Presidente de Processos Disciplinares na Administração Federal Brasileira, M∴M.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Jejum Prolongado

De cada 10 matérias que eu busco no Google Acadêmico sobre jejum prolongado, pelo menos 8 me mostram que não faz bem.
Vou resumir aqui os três principais argumentos que me convencem disso.
1)     O organismo demanda nutrientes continuamente, vinte e quatro horas por dia. A máquina não para. Mesmo durante o sono há uma forte demanda para o funcionamento dos sistemas nervoso, cardiovascular, respiratório, etc... Interromper o fornecimento de nutrientes é como cortar o fornecimento de combustível. Isso provoca uma quebra no sincronismo entre os sistemas vitais, incompatível com o biorritmo contínuo do nosso corpo.
2)     Sentir fome e não comer é o mesmo que sentir sede e não beber água, sentir sono e não dormir ou sentir vontade de ir no banheiro e se privar. Isso é conhecido como privação das necessidades elementares, uma prática condenada severamente desde os tempos ancestrais, pois bloqueia o funcionamento natural e espontânea de funções fundamentais do corpo. Não atender a essas vontades é desrespeitar sinais importantes do organismo e impedir atividades metabólicas básicas.
3)     O nosso corpo é um conjunto de centenas de sistemas inteligentes que, por sua vez, são formados por bilhões de células. Cada uma dessas células é um subsistema com "inteligência" e metabolismo próprio. E tudo isso funciona de forma integrada, em perfeita sintonia, à custa da nutrientes e energia fornecidos pela alimentação. Se ficamos sem comer por 15, 18 ou 20 horas seguidas, cada uma das células sentirá o racionamento no fornecimento de nutrientes. Em razão disso, algumas células irão acionar um dispositivo biológico de auto preservação, armazenando energia para se prevenir de carências futuras. Essas células são denominadas tecido adiposo e essa energia é armazenada na forma de gordura corporal. É por isso que mesmo fazendo regimes com severas restrições de alimentação, algumas pessoas continuam engordando e se sentindo desnutridas e com fome permanente.
Portanto, comer menos em cada refeição faz todo sentido. Mas deixar de comer não me parece ser racional, tampouco faz sentido lógico. Sendo assim, o melhor é obedecer os sinais do seu próprio corpo e não o relógio. Afinal, quando inventaram o relógio, nosso corpo já vinha sendo preparado pela natureza há milhões de anos. A natureza é sábia. Então, vamos agir sem contrariá-la. Coma quando sentir fome, selecionando o tipo de nutriente mais importante, sem excesso de carboidrato, obviamente.
* Marcio Almeida é Engenheiro Mecânico e Engenheiro Industrial, Administrador de Empresas, MBA em Gestão Governamental e Ciência Política, Especialista em Direito Administrativo Disciplinar, pesquisador autodidata em Nutrologia e Nutrição Esportiva, História e Sociologia, Meio-Maratonista, ex Diretor de Auditoria Legislativa e ex Presidente de Processos Disciplinares na Administração Federal Brasileira, M∴M.


sábado, 20 de maio de 2017

O Mecanismo de Exploração e de Manipulação do Estado Brasileiro

Por José Padilha, O Globo
1.    Na base do sistema político brasileiro opera um mecanismo de exploração da sociedade por quadrilhas formadas por fornecedores do estado e grandes partidos políticos.
2.    O mecanismo opera em todas as esferas do setor público: no legislativo, no executivo, no governo federal, nos estados e nos municípios.
3.    No executivo ele opera via o superfaturamento de obras e de serviços prestados ao estado e as empresas estatais.
4.    No legislativo ele opera via a formulação de legislações que dão vantagens indevidas a grupos empresariais dispostos a pagar por elas.
5.    O mecanismo existe a revelia da ideologia.
6.    O mecanismo viabilizou a eleição de todos os governos brasileiros desde a retomada das eleições diretas, sejam eles de esquerda ou de direita.
7.    Foi o mecanismo quem elegeu o PMDB, o DEM, o PSDB e o PT e quem elegeu todos os Presidentes da República desde o fim do regime militar.
8.    No sistema político brasileiro a ideologia está limitada pelo mecanismo: ela pode balizar políticas públicas, mas somente quando estas políticas não interferem com o funcionamento do mecanismo.
9.    O mecanismo opera uma seleção: políticos que não aderem a ele tem poucos recursos para fazer campanhas eleitorais e raramente são eleitos.
10.  A seleção operada pelo mecanismo é ética e moral: políticos que tem valores incompatíveis com a corrupção tendem a serem eliminados do sistema político brasileiro pelo mecanismo.
11.  O mecanismo impõe uma barreira para a entrada de pessoas inteligentes e honestas na política nacional, posto que as pessoas inteligentes entendem como ele funciona e as pessoas honestas não o aceitam.
12.  A maioria dos políticos brasileiros tem baixos padrões morais e éticos. (Não se sabe se isto decorre do mecanismo, ou se o mecanismo decorre disto. Sabe-se, todavia, que na vigência do mecanismo este sempre será o caso.)
13.  A administração pública brasileira se constitui a partir de acordos relativos a repartição dos recursos desviados pelo mecanismo.
14.  Um político que chega ao poder pode fazer mudanças administrativas no país, mas somente quando estas mudanças não colocam em cheque o funcionamento do mecanismo.
15.  Um político honesto que porventura chegue ao poder e tente fazer mudanças administrativas e legais que vão contra o mecanismo terá contra ele a maioria dos membros da sua classe.
16.  A eficiência e a transparência estão em contradição com o mecanismo.
17.  Resulta daí que na vigência do mecanismo o estado brasileiro jamais poderá ser eficiente no controle dos gastos públicos.
18.  As políticas econômicas e as práticas administrativas que levam ao crescimento econômico sustentável são, portanto, incompatíveis com o mecanismo, que tende a gerar um estado cronicamente deficitário.
19.  Embora o mecanismo não possa conviver com um estado eficiente, ele também não pode deixar o estado falir. Se o estado falir o mecanismo morre.
(Definição pura e simples de parasita - o povo é parasitado por políticos, empreteiros e amigos do rei que farão de tudo para continuar sugando o que for possível do Estado que tira seus recursos dos impostos)
20.  A combinação destes dois fatores faz com que a economia brasileira tenha períodos de crescimento baixos, seguidos de crise fiscal, seguidos ajustes que visam conter os gastos públicos, seguidos de novos períodos de crescimento baixo, seguidos de nova crise fiscal.
21.  Como as leis são feitas por congressistas corruptos, e os magistrados das cortes superiores são indicados por políticos eleitos pelo mecanismo, é natural que tanto a lei quanto os magistrados das instâncias superiores tendam a ser lenientes com a corrupção. (Pense no foro privilegiado. Pense no fato de que apesar de mais de 500 parlamentares terem sido investigados pelo STF desde 1998, a primeira condenação só tenha ocorrido em 2010.)
22.  A operação Lava-Jato só foi possível por causa de uma conjunção improvável de fatores: um governo extremamente incompetente e fragilizado diante da derrocada econômica que causou, uma bobeada do parlamento que não percebeu que a legislação que operacionalizou a delação premiada era incompatível com o mecanismo, e o fato de que uma investigação potencialmente explosiva caiu nas mãos de uma equipe de investigadores, procuradores e de juízes rígida, competente e com bastante sorte.
23.  Não é certo que a Lava-Jato vai promover o desmonte do mecanismo. As forças políticas e jurídicas contrárias são significativas.
24.  O Brasil atual está sendo administrado por um grupo de políticos especializados em operar o mecanismo, e que quer mantê-lo funcionando.
25.  O desmonte definitivo do mecanismo é mais importante para o Brasil do que a estabilidade econômica de curto prazo.
26.  Sem forte mobilização popular é improvável que a Lava-Jato promova o desmonte do mecanismo.
27.  Se o desmonte do mecanismo não decorrer da Lava-Jato, os políticos vão alterar a lei, e o Brasil terá que conviver com o mecanismo por um longo tempo.