terça-feira, 25 de abril de 2017

Suar não queima gordura.

Você já deve ter ouvido as frases "suor é a gordura chorando”, "derreti o bacon”, “sequei muita banha hoje”.

Porém, não leve isso ao pé da letra, pois quando você termina um treino encharcado de suor, significa apenas que eliminou água e minerais do seu corpo, mas nenhuma gordura derreteu ou foi queimada.

Todavia, por acreditar nesses ditados, não é raro se ver pessoas usando métodos malucos para suarem mais na atividade física – como correr de blusa em dias quentes, desligar os ventiladores e fechar as janelas ao usar a esteira e até enrolar plásticos no corpo.

Pois saiba que essas artimanhas não vão te ajudar a perder nenhuma grama de gordura e, ainda, te expõem a sérios riscos, conforme veremos a seguir.

Algo entre 98,5 e 99% do suor é constituído de água, que cumpre a função de manter a temperatura do corpo em torno de 36,5ªC. Ao umedecer a epiderme, essa água retira o calor excedente da pele e o dissipa na atmosfera através da evaporação.

Isso torna-se ainda mais necessário durante o treino porque o aumento do metabolismo, como batimentos cardíacos e respiração acelerados e a fricção dos músculos em ação, gera energia calórica, conhecida como efeito termogênico, ou seja, o aquecimento por efeito mecânico.

Se esse calor não for dissipado, pode provocar vários danos ao organismo, como a desestruturacão das moléculas de proteínas e enzimas do corpo (desnaturação) e o consequente aumento da temperatura corporal (hipertermia), que torna-se grave se evoluir para uma intermação, podendo causar complicações irreversíveis ao sistema nervoso e até resultar em morte. Em condições normais, nada disso acontece, mas se você se empacota de roupas quentes e plástico, estará aumentando muito o risco de vir a acontecer.

Os outros 1% ou 1,5% do suor é constituído de minerais. Dentre estes, há alguns nocivos que são eliminados oportunamente, como o Ácido Úrico e Amônia.
Já há outros que, dissolvidos na água do suor, conferem-lhe propriedades que aumentam o seu fluxo, desobstruindo poros e facilitando a sua evaporação.

Todavia, alguns desses minerais, como o Magnésio, Zinco e Potássio, são essenciais, inclusive para manter o bom funcionamento dos sistemas respiratório e cardiovascular, altamente demandados durante a atividade física. Por isso, o suor excessivo e induzido pode causar colapso desses sistemas, podendo levar atletas à morte súbita, como já se verificou em diversos casos ocorridos no passado recente em Maratonas e partidas de futebol. Isto se torna um risco bastante grave se o atleta tomou sauna antes do treino.

O suor exagerado, conhecido como hiperidrose, também pode causar a desidratação do corpo que, além de aumentar as chances de uma hipertermia, ainda aumenta a viscosidade do sangue, reduzindo o seu fluxo, o que compromete todo o metabolismo, desde performance cardiológica até a nutrição celular e cerebral, podendo causar delírios e até desmaios.

Ainda assim, com todo o suor que te deixou tão envaidecido, você não "queimou" uma única grama de gordura sequer. Apenas colocou sua vida em risco.

A despeito dos riscos do excesso provocado artificialmente, o suor durante o treino é necessário e te mantém saudável. Então, sue bastante naturalmente! E se for fazer um treino prolongado, tipo uma meia maratona, tome antes uma suplementação daqueles minerais referidos acima (Magnésio, Zinco e Potássio) e assim que acabar o treino, tome muito líquido, isotônicos e água de coco pra se reidratar e restaurar os níveis dos minerais perdidos.

Se você fez a atividade em jejum (com pouca disponibilidade de carboidratos na sua corrente sanguínea), pode ser que você já registre alguma perda de gordura imediatamente após o treino. Isso acontece porque, na falta de "combustível" (carboidratos) disponível na corrente sanguínea durante o esforço, seu organismo vai lançar mão das reservas, que são justamente as suas gorduras corporais.

Porém, se você foi para o treino bem alimentado, provavelmente você não vai registrar nenhuma redução de gorduras nesse primeiro momento.

De toda sorte, você terá iniciado um processo que te trará perda de gorduras nas próximas horas e, se você repetir o treino, um ou dois dias depois e continuar, em muito pouco tempo vai perder gorduras de forma saudável e definitiva.

Importante salientar também que nenhuma substância ingerida tem o poder de “queimar” gorduras corporais. Esse tipo de apelo, geralmente usado na venda de chás, regimes pré fabricados e até de suplementos termogênicos e medicamentos é um mito sem nenhuma fundamentação, uma vez que as reservas de tecido adiposo do corpo (gorduras corporais), só podem ser consumidas pelo próprio metabolismo, na forma de energia usada pelo corpo.
* Marcio Almeida é Engenheiro Mecânico e Engenheiro Industrial, Administrador de Empresas, MBA em Gestão Governamental e Ciência Política, Especialista em Direito Administrativo Disciplinar, pesquisador autodidata em Nutrologia e Nutrição Esportiva, História e Sociologia, Meio-Maratonista, ex Diretor de Auditoria Legislativa e ex Presidente de Processos Disciplinares na Administração Federal Brasileira, M∴M.
Fontes:
1)     Dr. Fellipe Savioli, ortopedista, especialista em medicina esportiva, fellow (membro) da Steadman-Hawkins Clinic, no Colorado (EUA), e triatleta


terça-feira, 11 de abril de 2017

As campanhas contra o leite

A primeira vez que se tentou desestimular o consumo de leite e desqualificar os seus valores nutricionais, aconteceu no século XVIII, na Inglaterra.
Naquela ocasião disseminava-se ideias de que o leite envenenava as pessoas, alegando que os produtores misturavam água suja e que o leite aprodrecia nas garrafas provocando doenças. Diziam, ainda, que se fosse ingerido com outros alimentos ou se tomado à noite causaria uma severa indigestão, apelidada de "Corujão", que podia levar à morte, etc, etc...

Porém, mais tarde constatou-se que isso tudo não passava de uma campanha patrocinada pelos produtores de chá, cujo propósito era induzir as pessoas a consumirem menos leite e, assim, tomarem mais chá, aumentando os seus lucros.

Várias outras campanhas como esta aconteceram ao longo história, como nos anos 70/80, que foi patrocinada pelos produtores de laranja da Califórnia, aterrorizando a população com a suposta existência de agentes tóxicos no leite, inclusive a toxina botulínica, que poderia causar mortes horríveis.

Como resultado, centenas de grandes empresas da citricultura se tornaram bilionárias e, de quebra, um dos seus principais garotos propaganda, o nosso ex piloto de F-1, Emerson Fittipaldi, se transformou num dos maiores produtores de suco de laranja do Brasil.

A última e mais pesada de todas as campanhas tem dois propósitos. O primeiro, é garantir as gorduras lácteas a preço mais baixo para serem usadas pela Indústria em produtos mais lucrativos, como cosméticos, tecidos, químicos industriais e até na indústria bélica.

O segundo, é assegurar a obtenção da valiosíssima Lactose mais barata e em quantidades abundantes. E, daí, a pergunta: Para onde vai tanta lactose?
A verdade é que a Lactose extraída do leite torna-se muito mais lucrativa nas indústrias química, médica, farmacêutica e alimentícia, conforme veremos.
Sem a Lactose e sem seus subprodutos e enzimas derivadas não haveria, por exemplo, a imensa variedade de deliciosos biscoitos, pães, bolos, sorvetes, bombons, balas, enlatados em geral, conservas doces e salgadas e embutidos; alimentos estes que são fabricados e distribuídos aos milhões de toneladas ao redor do mundo.
Da mesma forma, sem lactose, não se produziriam as milhares espécies de cosméticos, pomadas, cremes detergentes, sabonete, shampoos, tampouco centenas de medicamentos, instrumentos médicos, linhas de sutura e próteses médicas para diversas finalidades.
Sem falar da demanda destinada à fabricação de plásticos biodegradáveis, que vem crescendo exponencialmente de dez anos para cá, cuja produção só é possível à base de subprodutos da lactose.
Portanto, ao contrário do que possa parecer, a humanidade não foi assolada por nenhuma epidemia global de "intolerância à Lactose" nos últimos dez anos. A história é outra, nada honesta.
Essa campanha, bem mais contundente, chegou ao absurdo de contaminar a literatura da Medicina e da Nutrologia, fazendo com que profissionais dessas áreas se formem doutrinados para desestimular o consumo do leite, que é o mais nobre e mais completo dos alimentos.

Dois típicos exemplos de "garotos propaganda" dessa campanha nefasta são os Drs. Lair Ribeiro e José Roberto Catter que, a despeito de combaterem muitos outros mitos da Nutrologia, desmistificando teorias desvirtuadas, aderiram a essa onda de combate ao leite, sabe-se lá por que razão, condenando-o e defendendo teorias de interesse dessa Indústria subversiva!

Ambos, estranhamente e coincidentemente, fazem uso dos mesmos argumentos fajutos. Vejam a seguir:

1) Segundo estes médicos,  "nós somos a única especie no mundo que toma leite de outro animal!"
Todavia, isso não é verdade. Há centenas ou milhares de outras espécies que, da mesma forma, exploram a produção de nutrientes de outras espécies, numa dinâmica biológica natural chamada Simbiose. Além disso, o ser humano toma leite de animais domésticos há pelo menos 27.000 anos e justamente por isso, por causa dessa suplementação de proteína, o homem atingiu o desenvolvimento cerebral atual.

2) Eles dizem ainda que "não podemos beber leite porque as vacas e nenhum outro animal bebe leite depois de adulto!"
E qual o sentido dessa comparação? Quem segue o exemplo das vacas ou de outros bichos pra saber o que vai comer? Só porque vaca adulta não bebe leite eu também tenho que deixar de beber? Isso é mera tolice.

3) Continuam eles, alegando que "não podemos beber leite porque é o alimento dos bezerros"!
Daí, eu pergunto: quem já viu um bezerro passar fome porque as pessoas beberem o leite dele? Pelo contrário, qualquer bezerro que se aventurar a mamar todo o leite da mãe, corre sérios riscos de vir a falecer por diarreia.
O mais curioso é que eles não dizem nada sobre o consumo dos laticínios derivados, como queijos, manteiga, Iogurte e cremes, cuja fabricação consome a maior parte de todo o leite produzido no mundo. Por que o consumo destes laticínio não estaria tirando o alimento dos bezerros?

4) Argumentam, ainda, os Doutores Lair e José Catter que "leite é tóxico e não pode ser consumido por adultos!"
Também aqui, estranhamente não faz menção aos laticínios derivados que, paradoxalmente, contém concentração muito maior dos mesmos componentes do leite in natura. Porque este faz mal à saúde e os laticínios não?

Ora, é um enorme contrasenso dizer que é tóxico aquele que é o único alimento recomendado para o bebê recém nascido - o MAIS FRÁGIL e mais vulnerável de todos os seres!!! O único alimento capaz de nutri-lo de forma segura e saudável, proteger e propiciar o seu desenvolvimento e o crescimento plenos, sem necessidade de nenhuma suplementação adicional.

A razão disso é simples: leite é o único alimento que contém simultaneamente os 16 nutrientes mais importantes para o ser humano, além de todos os 10 (dez) aminoácidos essenciais. Como se não bastasse, contém Lactose, o mais saudável e mais digerível dentre todos os carboidratos, de altíssimo valor nutricional e baixa ação glicêmica, razão pela qual, praticamente não engorda.
Além de todo esse poder nutricional, é o único alimento que estimula o desenvolvimento de microrganismos benéficos e bacilos da flora nativa, regulando as funções fisiológicas do intestino e protegendo-o de uma vasta gama de doenças causadas pela ação de bactérias nocivas.

Há que se esclarecer que a tese segundo a qual o leite faz mal a adultos provém de um equívoco na compreensão do processo digestivo, conforme veremos.
A Lactose é digerida por uma enzima chamada Lactase, produzida no intestino humano. Na medida em que a pessoa vai se tornando adulta e passando a tomar menos leite, as glândulas do intestino vão reduzindo a produção de Lactase. É um processo natural. Ou seja, quando essa enzima vai se tornando desnecessária, o organismo vai deixando de produzi-la, chegando a desaparecer em muitos casos. Contudo, isso não é deficiência, muito menos INTOLERÂNCIA! Trata-se de uma adaptação natural e sábia do metabolismo, que não acarreta nenhum mal estar ou dano à saúde. Pelo contrário, o organismo passa a digerir menor quantidade de Lactose que, por ser um carboidrato, vai se tornando menos necessário com a idade e, com isso,  evitando o aumento glicêmico e o acúmulo de gordura corporal.
Portanto, interpretar a redução das capacidade de digerir a Lactose como se fosse uma intolerância, não não faz nenhum sentido!
Cabe ressaltar que a INTOLERÂNCIA alimentar é uma característica genética inata. Ou seja, a pessoa não a desenvolve ao longo da vida - nasce com ela e não se cura. Assim sendo, a criança que amamentou ao nascer e sobreviveu com saúde, é improvável que seja portadora dessa síndrome, uma vez que o leite materno contém quase o dobro do teor de lactose do leite de vaca.

O que ocorre com relativa frequência, são rações alérgicas, em especial a alguma das muitas proteínas do leite, que pode se desenvolver e ser curada ao longo da vida.


 Almeida é Engenheiro Mecânico e Engenheiro Industrial, Administrador de Empresas, MBA em Gestão Governamental e Ciência Política, Especialista em Direito Administrativo Disciplinar, pesquisador autodidata em Nutrologia e Nutrição Esportiva, História e Sociologia, Meio-Maratonista, ex Diretor de Auditoria Legislativa e ex Presidente de Processos Disciplinares na Administração Federal Brasileira, M∴M

Fontes:
http://marciocc2.blogspot.com/2015/10/lactosefarsa.html?m=1

domingo, 2 de abril de 2017

O viés tendencioso das pesquisas

Quem tem conhecimento básico de metodologia científica sabe que uma pesquisa envolve diversas variáveis, inclusive algumas ocultas ou externas (exógenas), que podem gerar falsos resultados quantificáveis, mas completamente absurdos e que não indicam qualquer relação de causa e efeito entre os parâmetros pesquisados. Contudo, muitas vezes a divulgação tendenciosa acaba criando mitos que sobrevivem como se fossem resultados reais mas que, na verdade, não fazem o menor sentido.
Vou sumarizar, a seguir, três casos usados pelo médico e nutrólogo Dr. José Carlos Souto, para elucidar como isso acontece.

CASO 1
Hipótese A: Tomar sorvete causa afogamento
Hipótese B: Proibir a venda de sorvetes evita mortes no mar e nas piscinas.
População testada: Crianças e adolescentes de Ilhéus – BA.
Observação: Entre as vítimas de afogamento, a maioria tinha tomado sorvete.
Variáveis consideradas: Sorvete e afogamentos.
Variável exógena: O calor.
Análise: Em dias de calor as pessoas costumam ir mais aos clubes e praias e, também, tomar mais sorvete.

Conclusão: A coincidência de maior fluxo de pessoas nas praias e clubes com o maior consumo de sorvete nos dias quentes, por óbvio, não constitui nenhuma relação de causa e efeito entre sorvete e afogamento.
Portanto, as hipóteses A e B são falsas.

CASO 2
Hipótese A: O consumo de carne vermelha, gordura e proteína provoca a morte.
Hipótese B: Evitar carnes vermelhas, gorduras e proteínas aumenta a longevidade.
População testada: 8.000 pacientes vítimas de infarto nos Estados Unidos.
Observação: Acompanhamento entre 1966 e 1974, metade sendo tratada com drogas destinadas a baixar o colesterol e a outra metade com placebo.
Variáveis consideradas: Medicação-teste, níveis de colesterol e índice de mortalidade.
Variável exógena: A disciplina dos pacientes analisados.
Primeira análise: Descobriu-se que as pessoas que usaram corretamente a medicação-teste teve mortalidade de 15% e quem usou a medicação de forma negligente teve mortalidade de 24,6 %. Quase 10% a mais de mortes. Em ambos os grupos registrou-se redução insignificante do nível de colesterol.
Segunda análise: Ao analisarem a mortalidade entre os pacientes do grupo placebo (que tomavam cápsulas sem nenhum efeito), constatou-se que os pacientes que tomaram o placebo corretamente, seguindo os horários e dosagens indicadas, tiveram a mesma mortalidade de 15℅, enquanto os que tomaram o placebo de maneira errática, apresentaram mortalidade e 28,2%. Ou seja, ainda que todos tomassem pílulas sem nenhum efeito, os indisciplinados tiveram mortalidade 13,1% maior.

Conclusão: As pessoas que tomam seus remédios religiosamente como prescrito são mais disciplinadas do que aquelas que os tomam de forma errática. São mais bem comportadas, razão pela qual têm menor chance de fumar ou beber em demasia, cuidam-se melhor no que diz respeito a peso, atividade física e alimentação, usam cinto de segurança, capacete, etc.
Portanto, a hipótese A e hipótese B são falsas.

CASO 3
(O Globo – 2012)
"A pesquisa de Harvard, que acompanhou 120 mil americanos por mais de 20 anos, revelou que o consumo de uma porção diária de carne processada eleva em mais de 20% o risco de morte, enquanto a carne não vermelha, como um bife, aumenta as chances em 13%.
A PESQUISA:
Hipótese A: Consumo de carne vermelha causam morte.
Hipótese B: Reduzir o consumo de carne vermelha aumenta a longevidade.
População: 120.000 cidadãos americanos
Observação: Acompanhamento ano a ano, ao longo de 20 anos.
Variáveis consideradas: Consumo de carnes vermelhas e longevidade.
Variável exógena: O estilo de vida dos apreciadores de carne vermelha.
Análise 1: Dentre as pessoas que comiam muita carne vermelha, houve 1,40% de mortalidade. Entre as pessoas vegetarianas ou quase vegetarianas, houve 1,13% de mortalidade. Uma diferença absoluta de 0,27%.
Análise 2: Pessoas com maior consumo de carne vermelha, adeptos do churrasco, são mais propensos a ser fumantes e a beber álcool e mais sedentários, por isso mais obesos. Além disso, uma maior ingestão de carne vermelha consiste em menor ingestão de frutas, legumes e fibras.

E como eles chegaram em 20%?
A comparação entre o índice de 1,40% e 1,13% indica uma diferença percentual, entre esses dois fatores, de cerca de 23%. Entretanto, essa grandeza não faz sentido na análise em questão.

Conclusão: Considerando que as pessoas que consomem mais carne vermelha são adeptas do cigarro e do álcool, além de outros fatores, a ínfima diferença de 0,27% de mortalidade sobre essa população não indica relação de causa e efeito entre consumo de carne e mortalidade.
Portanto, as hipóteses A e B acima não são verdadeiras e a matéria de O Globo é tendencioso e inverídica.



* Marcio Almeida é Engenheiro Mecânico e Engenheiro Industrial, Administrador de Empresas, MBA em Gestão Governamental e Ciência Política, Especialista em Direito Administrativo Disciplinar, pesquisador autodidata em Nutrologia e Nutrição Esportiva, Meio-Maratonista, ex Diretor de Auditoria Legislativa e ex Presidente de Processos Disciplinares na Administração Federal Brasileira, M∴M.

A Bíblia é Sagrada?

Nas primeiras vezes que eu tentava ler a Bíblia, não entendia um monte de coisas, mas pensava:
-      Tudo bem! Essa é a palavra de Deus. Eu devo ser meio burro e Deus é muito superior! Por isso eu não tô entendendo.

Mas hoje, quando leio, vejo que, na verdade, a Bíblia é como dizia Einstein: "uma coletânea de lendas e contos cheios de boas intenções, mas muito primitivas e infantis". E eu acrescento: cheia de enxertos desconexos e tendenciosos, contradições e inconsistências literárias. Por essa razão, obviamente, só pode ter sido escrita por gente - por sinal, não muito esclarecida - não por Deus.

É justamente por isso que eu não entendia coisas como discriminação, ameaças injustas e aterrorizantes às pessoas que pensavam diferente, como por exemplo em Êxodo, 20-14:
-    Eu castigarei os filhos pelos pecados de seus pais até a terceira e quarta geração daqueles que me desprezam, mas trato com bondade até mil gerações aos que me amam e obedecem.

Não me conformava com ordens para promover vingança, matança indiscriminada, chacina e genocídio e assalto, com requinte de sequestro e escravidão de mulheres e crianças e abuso de menores, como em Números, 31-18:
-      Vingue-se dos midianitas [...]. Então, conforme o SENHOR tinha ordenado, mataram todos os homens [...], capturaram as mulheres e as crianças e tomaram como despojo todos os rebanhos e bens dos midianitas. Queimaram todas as cidades, bem como todos os seus acampamentos e levaram prisioneiros, homens, mulheres e crianças, bem como os despojos a Moisés.

Mas Moisés, insatisfeito, indignou-se:
-      Vocês deixaram todas as mulheres vivas? Agora matem todos os meninos e matem também todas as mulheres que se deitaram com homem, mas poupem para nós todas as meninas virgens.

Achava esquisito Deus tomando decisões inconsequentes e maldosas, tendo que ser contido por Moisés e, depois, arrepender-se da bobagem que disse, como em Êxodo, 32-14:
-   Disse o SENHOR a Moisés: 'Este povo é fanático e teimoso. Deixe-me descarregar minha ira contra eles, e eu os destruirei.

E, com autoridade, Moisés, argumenta:
-      Ó Senhor, por que descarregaria a tua ira contra o teu povo? [...] diriam os egípcios: ‘Foi com intenção maligna que os libertou, para matá-los nos montes e bani-los da face da terra’? Arrepende-te do fogo da tua ira! Lembra-te dos teus servos Abraão, Isaque e Israel, aos quais juraste por ti mesmo [..]. E, assim, o SENHOR arrependeu-se do mal que ameaçara trazer sobre o povo.

E mais e mais inconsistências, como:

Maria Madalena reconheceu Jesus quando ele apareceu a ela?
Versão 1: Ela reconheceu Jesus quando ele apareceu a ela. [Mt 28:9]
Versão 2: Ela não reconheceu Jesus quando ele apareceu a ela. [Jo 20:14]
Versão 3: Jesus não apareceu a ela; ela teve uma visão onde anjos lhe falaram que ele estava vivo. [Lc 24:23]

Quais foram as últimas palavras de Jesus?
Versão 1: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? [Mt 27:46]
Versão 2: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. [Lc 23:46]
Versão 3: Está consumado. [Jo 19:30]

Estudiosos da Bíblia, dentre os quais, teólogos e religiosos de várias tendências, cristãos ou não, apontam milhares de outras situações bastante estranhas no seu texto. Por exemplo:
·        Estima-se que, por ordem de Deus, foram cometidos mais de um milhão de assassinatos, segundo a Bíblia.
·        Que, ao contrário do que pressupõe o fundamento doutrinário de um único Deus, a Bíblia menciona mais de uma dezena de outras divindades, sendo algumas destas alinhadas, outras concorrentes e outras hostis.

Outras curiosidades bizarras

A origem das Páscoa: Naquele certo dia, Deus ordena que cada família mate um carneiro, coma toda a sua carne e use o sangue do animal para lambuzar os portais de entrada da casa. Além do ato de celebração, o sangue nos portais serviria como uma forma de identificar as residências dos israelitas, pois na noite subsequente, Deus passaria pela cidade, de casa em casa, matando todos os primogênitos, crianças e animais, poupando apenas as casas marcadas com sangue na porta (Em Êxodo, 12:30).
D
O Antigo Testamento arranjado: As versões originais da Torá, a Bíblia original Judaica, constava várias situações que foram alteradas posteriormente, dentre as quais:
·  No texto original, Deus tinha uma esposa. Porém, após o reino de Nabucodonosor, marcado por um patriarcalismo severo, a esposa de Deus foi banida das escrituras;
·    Adão teve uma primeira mulher, chamada Lilith, feita de barro, assim como Adão. Mas, por querer se impor sobre as vontades do marido, desobedecê-lo e por tê-lo traído, Deus a expulsou do Paraíso e, em seguida, fez Eva, da costela de Adão;
·  Na versão original do dilúvio, Deus disse a Utnapishtim, um rico fazendeiro sumério, que construísse uma arca e embarcasse nela com toda a sua família. Porém, ao contrário da versão atual, ele deveria levar todos os animais de sua propriedade, apenas como suprimento e subsistência da própria família durante os 40 dias do dilúvio.

Os Evangelhos arbitrados: Antes do concílio de Nicéia, convocado pelo Imperador Romano, Constantino em 325 d.C. o Novo Testamento era composto por 22 Evangelhos, segundo algumas fontes, ou 16, segundo outras fontes. À exceção dos quatro atuais (João, Lucas, Mateus e Marcos), todos os demais foram proibidos, com pena de morte para quem mantivesse cópia. Isso só pode ser porque continham algo muito contraditório. Estes quatro escolhidos ainda teriam sido "adaptados" com vários fatos novos, inclusive com a inclusão da ressurreição, supostamente para fazer com que Jesus se parecesse com Hórus, de quem o Constantino era devoto.

Veja outras milhares de bizarrices da Bíblia neste link:

Fontes:
O épico de Gilgamesh


* Marcio Almeida é Engenheiro Mecânico e Engenheiro Industrial, Administrador de Empresas, MBA em Gestão Governamental e Ciência Política, Especialista em Direito Administrativo Disciplinar, pesquisador autodidata em Nutrologia e Nutrição Esportiva, História e Sociologia, Meio-Maratonista, ex Diretor de Auditoria Legislativa e ex Presidente de Processos Disciplinares na Administração Federal Brasileira, M∴M.





sábado, 1 de abril de 2017

A Bíblia

Nas primeiras vezes que eu tentava ler a Bíblia, não entendia um monte de coisas, mas pensava:
-      Tudo bem! Essa é a palavra de Deus. Eu devo ser meio burro e Deus é muito superior! Por isso eu não tô entendendo.

Mas hoje, quando leio, vejo que, na verdade, a Bíblia é como dizia Albert Einstein: "uma coletânea de lendas e contos cheios de boas intenções, mas muito primitivas e infantis". E eu acrescentaria: cheia de enxertos desconexos e tendenciosos, contradições e inconsistências literárias. Por essa razão, obviamente, só pode ter sido escrita por gente - por sinal, não muito esclarecida - não por Deus.

É justamente por isso que eu não entendia coisas como discriminação, ameaças injustas e aterrorizantes às pessoas que pensavam diferente, como por exemplo em Êxodo, 20-14:
-      Eu castigarei os filhos pelos pecados de seus pais até a terceira e quarta geração daqueles que me desprezam, mas trato com bondade até mil gerações aos que me amam e obedecem.

Não me conformava com ordens para promover vingança, matança indiscriminada, chacina e genocídio e assalto, com requinte de sequestro e escravidão de mulheres e crianças e abuso de menores, como em Números, 31-18:
-    Vingue-se dos midianitas [...]. Então, conforme o SENHOR tinha ordenado, mataram todos os homens [...], capturaram as mulheres e as crianças e tomaram como despojo todos os rebanhos e bens dos midianitas. Queimaram todas as cidades, bem como todos os seus acampamentos e levaram prisioneiros, homens, mulheres e crianças, bem como os despojos a Moisés.
Mas Moisés, insatisfeito, indignou-se:
-      Vocês deixaram todas as mulheres vivas? Agora matem todos os meninos e matem também todas as mulheres que se deitaram com homem, mas poupem para nós todas as meninas virgens.

Achava esquisito Deus reagir irado contra pessoas ignorantes, com ameaças genocidas, como em Êxodo, 32-14:
-      Disse o SENHOR a Moisés: 'Este povo é fanático e teimoso. Deixe-me descarregar minha ira contra eles, e eu os destruirei.
E, com autoridade, Moisés, ter que conter Deus, alertando-o pela atitude inconsequente que estava prestes a fazer e Deus, diante da pressão de Moisés, se arrepende da bobagem que havia dito:
-      Ó Senhor, por que descarregaria a tua ira contra o teu povo? [...] diriam os egípcios: ‘Foi com intenção maligna que os libertou, para matá-los nos montes e bani-los da face da terra’? Arrepende-te do fogo da tua ira! Lembra-te dos teus servos Abraão, Isaque e Israel, aos quais juraste por ti mesmo [..]. E, assim, o SENHOR arrependeu-se do mal que ameaçara trazer sobre o povo.

E mais e mais inconsistências, como:

Maria Madalena reconheceu Jesus quando ele apareceu a ela?
Versão 1: Ela reconheceu Jesus quando ele apareceu a ela. [Mt 28:9]
Versão 2: Ela não reconheceu Jesus quando ele apareceu a ela. [Jo 20:14]
Versão 3: Jesus não apareceu a ela; ela teve uma visão onde anjos lhe falaram que ele estava vivo. [Lc 24:23]

Quais foram as últimas palavras de Jesus?
Versão 1: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? [Mt 27:46]
Versão 2: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. [Lc 23:46]
Versão 3: Está consumado. [Jo 19:30]

Estudiosos da Bíblia, dentre os quais, teólogos e religiosos de várias tendências, cristãos ou não, apontam milhares de outras situações bastante estranhas no seu texto. Por exemplo:
·        Estima-se que, por ordem de Deus, foram cometidos mais de um milhão de assassinatos na Bíblia.
·        Que, ao contrário do que pressupõe o fundamento doutrinário de um único Deus, a Bíblia menciona mais de uma dezena de outras divindades, algumas alinhadas, outras concorrentes e outras hostis.

Outras curiosidades bizarras
A origem das Páscoa: Naquele certo dia, Deus ordena que cada família mate um carneiro, coma toda a sua carne e use o sangue do animal para lambuzar os portais de entrada da casa. Além do ato de celebração, o sangue nos portais serviria como uma forma de identificar as residências dos israelitas, pois na noite subsequente, Deus passaria pela cidade, de casa em casa, matando todos os primogênitos, crianças e animais, poupando apenas as casas marcadas com sangue na porta.

O Antigo Testamento arranjado: As versões originais da Torá, a Bíblia original Judaica, constava várias situações que foram alteradas posteriormente, dentre as quais:
·        Originalmente, Deus tinha uma esposa que, após o reino de Nabucodonosor, foi banida das escrituras;
·         Adão teve uma primeira mulher, chamada Lilith que, por não obedecer Adão, por querer se impor e por ter traído o marido, Deus a expulsou do Paraíso e, em seguida, fez Eva;
·        Na versão original Deus disse a Utnapishtim, um rico fazendeiro sumério, que construísse uma arca e embarcasse nela com toda a sua família. Porém, ao contrário da versão atual, ele deveria levar todos os animais de sua propriedade, com a finalidade de ter alimentação ao longo dos 40 dias do dilúvio.

Os Evangelhos arbitrados: Antes do concílio de Nicéia, convocado pelo Imperador Romano, Constantino, em 325 d.C. o Novo Testamento era composto por 22 Evangelhos, segundo algumas fontes, ou 16, segundo outras. À exceção dos quatro atuais, todos os demais foram proibidos, com pena de morte para quem mantivesse cópia. Os quatro escolhidos ainda teriam sido "adaptados" com vários fatos novos, inclusive com a inclusão da ressurreição, supostamente para fazer com que Jesus se parecesse com Hórus, de quem o Constantino era devoto.

Veja outras milhares de bizarrices da Bíblia neste link: