segunda-feira, 4 de junho de 2012

O Homem na Lua: Uma história inconsistente

Durante 40 anos eu acreditei na façanha dos voos tripulados à Lua. Nunca havia cogitado qualquer suspeita, tampouco me detido sobre o assunto pra averiguar. Porém, por ocasião da comemoração de 40 anos do pouso da Apolo 11 na Lua, em Junho de 2009, assistindo alguns documentários, inclusive com depoimentos dos próprios astronautas protagonistas, me deparei com tantas inconsistências técnicas e tantos fatos nitidamente fantasiosos que não pude deixar de suspeitar! A partir daí me dediquei a pesquisar e analisar melhor os fatos e hoje não tenho a menor dúvida de que se tratou de uma fraude.

Atualmente há uma infinidade de matérias publicadas, incluindo produções de idoneidade inquestionável, como as da BBC e do History Channel, que demonstram incontáveis evidência de que tudo não passou de uma mera peça de ficção, a despeito de tantas outras produções patrocinadas pelas NASA, que tentam desqualificar essas constatações ou tirar o foco do assunto. 

Todavia, os elementos que me levaram à absoluta convicção, embora tenham também como fonte as imagens fornecidas pela NASA, tratam-se de constatações de natureza técnica, que demonstram a impossibilidade de que algumas operações tenham sido realizadas, como alega a NASA. 

Uma das primeiras fontes de pesquisa e que, no meu entendimento, não deixou pedra sobre pedra em relação à comprovação da fraude, foi trabalho do pesquisador André Basílio, autor do livro "A Fraude do Século", cujo resumo encontra-se publicado AQUI (Clique e veja). 

Entretanto, nesta matéria eu demonstro, com base em fundamentos da Engenharia e da Física, que alguns materiais usados nos dispositivos são absolutamente impróprios e não poderiam ter funcionado e que supostos procedimentos jamais poderiam ter acontecido, pois afrontam princípios e leis fundamentais. 

A principal fonte desta análise é a própria imagem do "Módulo Lunar", divulgada pela NASA e que pode ser baixada em alta definição clicando AQUI. Vejam as minhas constatações.


O voo impossível


Não é necessário ser um especialista em aerodinâmica para perceber que esse objeto disforme não foi feita para voar. A sua anatomia assimétrica não propiciaria nenhuma sustentação, nem em uma atmosfera densa, tampouco no vácuo da Lua. Trata-se de uma geringonça de formato irregular, cuja "fuselagem", que deveria ser de metal de alta resistência, é feita de pano e papel celofane - ironicamente, o mesmo material usado na confecção de fantasias alegóricas. Com essa estrutura indefinida, que mais parece uma arapuca, esse objeto não teria a necessária sustentação aerodinâmica para pousar nem sair do chão sob controle, a menos que fosse suspensa por uma cabo. 

De acordo com o princípio da dinâmica (segunda Lei de Newton), para se manter em equilíbrio, um corpo necessita ter um referencia inercial para se sustentar. Caso contrário, qualquer movimento aéreo sem essa sustentação provocaria esforços dispersos e, consequentemente, o descontrole total e a queda. Embora este seja um procedimento teórico, matematicamente comprovável, é absolutamente impossível ser realizado na prática, sem que haja algum dispositivo aerodinâmico compensatório. 

Ainda que esse objeto dispusesse de asas aerodinâmicas, de nada adiantaria, pois não há atmosfera na lua. Portanto inexistia qualquer referencial de sustentação que pudesse garantir o equilíbrio e o controle de velocidade de descida. Por isso, é impossível acreditar que esse objeto tenha realizado algum pouso ou decolagem, muito menos sob ação de um único motor de empuxo, pois seria impossível manter o centro de gravidade em prumo e sob controle. Por essa razão, pode-se afirmar categoricamente que aquele pouso na lua nunca aconteceu. 

Um bom modelo para se entender esse princípio são os aviões Harrier. Eles realizam procedimentos de decolagem e aterrissagem vertical, porém, têm como referenciais de equilíbrio e sustentação um conjunto composto por dois motores e um par de asas, coisas que o "Módulo" não tinha. Mas, mesmo se tivesse, no vácuo da lua esse sistema de sustentação jamais funcionaria. Além disso, a ação dos motores do Harrier provoca uma turbulência violenta, capaz de levantar toneladas de poeira, que também não aconteceu na suposta "alunissagem". Você um procedimento de aterrissagem dele clicando AQUI.  

Além de tudo isso, a imagem do "Módulo" não parece ter espaço para os tanques de combustível, tampouco para o motor - ainda que fosse um único que, se existisse, estaria localizado imediatamente acima do bocal, dividindo o mesmo espaço com os astronautas. Porém, isso não procede pois, em funcionamento, o ruído jamais teria permitido as conversas que o mundo ouviu, no suposto momento da descida e, além disso, a temperatura do compartimento fritaria todos em poucos minutos.


As fotos improváveis


As máquinas fotográficas existentes em 1969, equipadas com filmes desenvolvidas para registrar os efeitos da luz difusa da nossa atmosfera, seguramente não seriam capazes de fazer essa foto contra o sol, nem na Terra, onde a intensidade da luz solar é bem menor devido à ação da atmosfera que age como atenuante do foco e filtra a radiação de alta frequência, muito menos na Lua, onde não há atmosfera e a intensidade da luz direta do sol é várias vezes mais forte. Em tese, uma foto nesse cenário, fatalmente "queimaria" o filme fotográfico. Veja a sequência de fotos comparativas abaixo e tire suas conclusões.
---
---



Conforme mostra a foto principal, acima, o sol está do lado oposto do "Módulo Lunar". Ou seja, a superfície mostrada na foto encontra-se na sombra. 

Uma vez que na Lua não há difusão da luz, pois não existe atmosfera e considerando que a câmera não tinha flash (conforme afirmaram os técnicos da NASA), então como é que o lado anterior está todo iluminado, como se houvesse um holofote por trás do fotógrafo?

Outro fato estranho é que nenhuma filmagem de qualidade foi realizada pelos astronautas. As únicas imagens de vídeo que existem dessa missão são gravas por meio da "filmagem sobre uma tela de TV". Ora, como é que uma missão dessa magnitude teria deixado de ser documentada com qualidade para que as fabulosas imagens fossem  guardadas nos anais da história da humanidade?

Aeronave ou fantasia alegórica?


Conforme dissemos acima, aquilo que deveria ser a carenagem estrutural do módulo lunar, na verdade, trata-se de acabamento em tecido e papel celofane, um material próprio para a confecção de alegorias e fantasias, além de tecido (pano) preto fosco. (Amplie a foto original e confira).
A placa "UNITED STATES" é impressa numa folha de papel, aparentemente improvisada, e nitidamente colada com fita adesiva (tipo durex), já meio amarelada. Esse amarelamento é resultante de um processo de oxidação, demonstrando que a fita foi colada há bastante tempo e ficou exposta ao ar (na Terra, portanto). As deformações do cartaz mostra que está colado sobre uma superfície amorfa (aparentemente tecido). Ressalte-se que esse tipo de fita, cuja cola é à base de água, jamais se manteria num ambiente de vácuo, com umidade zero e, sobretudo, com uma temperatura chegando a 120º C. 

Repare que a outra tira branca, localizada abaixo da placa "United States", assim como as bordas desse celofane alaranjado e amassado, da mesma forma, estão colados com fita adesiva comum.

O tripé que aprece em destaque à direita da foto está apenas apoiado com o canto do tubo, solto sobre uma espécie de bacia. Isso não faz sentido, pois o equipamento deveria ser um conjunto sólido, com peças soldadas. Mas não é, conforme mostra a imagem.

Sem vestígios de voo


A NASA quer fazer crer que esse suposto "Módulo Lunar" teria aterrissado sob a ação de um único motor de empuxo a jato, o que seria tecnicamente impossível, conforme dissemos acima. Porém, ainda que hipoteticamente, se esse equipamento tivesse descido sob o efeito do jato, o fluxo dos gases super aquecidos expelidos pelo bocal da turbina em altíssima velocidade e sob forte pressão, teriam queimado todo o tecido e papel que compõem o "Módulo".
Além disso, a ação desse suposto jato propulsor que, em tese, deveria gerar centenas de quilos de empuxo soprando contra o terreno, durante o procedimento de descida, teria removido uma quantidade de poeira gigantesca, provocando uma enorme cratera no local, com um epicentro bastante profundo no meio. Entretanto, não há nenhum sinal de movimentação da areia no local. 
Portanto, não procede a teoria de que esse equipamento tenha descido ali, sobretudo, se considerarmos que a superfície da lua é formada por areia absolutamente seca e extremamente fina, conforme afirmam os próprios astronautas, que se espalharia em uma nuvem enorme em volta do equipamento. E, conforme se nota, o ambiente por ali estava completamente limpo e as partes e peças externas do módulo estavam polidas, sem nenhum sinal de poeira.

Se esse "Módulo" foi transportado da terra até a lua acoplado à nave Apolo 11, então como não aparece na foto nenhum dispositivo de encaixe ou de acoplamento?

Sob 120º, sem refrigeração?


Além dessas, há uma outras evidência que chega aos limites do óbvio e que, embora não tenha sido observada por outros pesquisadores, me chamou muito a atenção, por se tratar de um assunto da minha área específica de conhecimento da Engenharia. 

A temperatura na superfície da Lua, sob sol intenso, chega a 120º C. Para efeito de comparação, ressalte-se que, com uma temperatura menor que essa, a panela de pressão derrete os ossos no cozimento de uma feijoada em cerca de trinta minutos. Portanto, aquele é um ambiente de tal forma inóspito, que exigiria complexas tecnologias de refrigeração para proporcionar condições mínimas de sobrevivência. Estranhamente, este sistema de resfriamento não só não aparece, como nunca foi mencionado. 

Contudo, suponhamos que a NASA tivesse inventado um macacão com alto poder de isolamento térmico, que conseguisse baixar a tempera para 40º ou 50º C (o que eu não creio). Ainda assim, para permitir a permanência dos astronautas por duas horas e quarenta minutos, em plena atividade, ainda teria que haver um sistema de refrigeração bastante eficiente. Entretanto, o conjunto de motor, compressor, bateria e cilindro de gás de um sistema de refrigeração com tal potência, ocuparia um volume de, pelo menos, meio metro cúbico que, definitivamente não caberia na pequena mochila que usavam nas costas. 

As montagens fotográficas


Some-se a todas essas evidências, as claras e incontestáveis montagens na principal foto oficial, divulgada pela própria NASA, por sinal, muito mal feitas. Vejam abaixo.

Veja também:
1) O Homem na Lua: Gafes e farsas

2) Vídeo de uma das tomadas feitas durante a produção cenográfica da farsa (veja o vide e compare com a filmagem original, como se trata do mesmo cenário): A Farsa do Homem na Lua

* Marcio Almeida é Engenheiro Mecânico e Engenheiro Industrial, Administrador de Empresas, MBA em Gestão Governamental e Ciência Política, Especialista em Direito Administrativo Disciplinar, pesquisador autodidata em Nutrologia e Nutrição Esportiva, História e Sociologia, Meio-Maratonista, ex Diretor de Auditoria Legislativa e ex Presidente de Processos Disciplinares na Administração Federal Brasileira, MM



6 comentários:

João Ricardo disse...

Perfeito.
depois dessa farça tantas outras e o povo ainda continua sendo enganado.
Acredito em iluminatis as 13 famílias lendárias que controlam todo o mundo.
Apocalipse

Anônimo disse...

Oi

Anônimo disse...

Me deu medo isso...

Por isso nosso país é tão bem administrado... Como um excelente engenheiro, administrador e ainda membro do ministério do planejamento consegue escrever uma coisa dessas...

Mas vamos lá tentar responder suas perguntas com meu mísero conhecimento de ensino médio...
Questões :

1- "Simetria" Ridículo... isso não... Por que simetria, se não existe arrasto aerodinâmico no espaço, isto é tão básico cara... O importante no espaço é o centro de gravidade(ops centro de massa)... É só observar que sondas, satélites e inclusive a nave espacial soyuz( funcionando e produzida a mais de 40 anos) são bem assimétricos.

2- A visibilidade na parte sombreada é devido ao reflexo do solo lunar( pois a lua é bem reflexiva), isso ja foi tão explicado na internet, inclusive pelo mythbusters(é só procurar na internet você acha...), já em relação ao excelente contraste das fotos, talvez elas não foram tiradas aqui na terra, rsrsrs. Explico de uma olhada no site da wikpédia sobre Dispersão de Rayleigh (Ocorre quando a luz viaja por sólidos e líquidos transparentes, mas se observa com maior frequência nos gases)... tá isso de maneira geral dispersa as ondas de luz aqui na terra... E por isso as fotos na lua são bem contrastantes e nitidas em comparação aqui a da terra 2(b) intensidade do sol... o que você entende por intensidade... (segundo o dicionário que tem muita força)... ou você está confundindo com tamanho... lembra-se na lua não há dispersão de luz por conta da atmosfera então o sol aparentemente é menor, já a radiação e a temperatura...ou você acha que os astronautas estão usando viseiras metalizadas para ficarem bonitos nas fotos ou estão levando mochilas de camping ( na realidade é um módulo gerador de oxigênio, e ar condicionado que usa a sublimação de água para refrigerar o traje pois as temperaturas suportadas pelo traje são extremas)... já o disparo das maquinas foi desenvolvido para ser bem rápido para não queimar o filme e por isso mesmo não há estrelas nas fotos...

3- Aquele estranho papel celofane é utilizado para refletir a radiação infravermelha e com isso reduzir a incidência de calor sobre a nave, funciona como se fosse um cobertor para resfria-la. Olha esse papel é visto em diversos aparelhos espaciais de sondas a satélites, para o mesmo princípio dito anteriormente.

Anônimo disse...

4- A placa realmente ficou mal feita, más se você observar é do mesmo material do “papel celofane”

5-Em relação a durex de uma olhada no site da 3m do Brasil que você vai observar que existem uma infinidades de durex para uso na industria aeroespacial , inclusive de uso externo em aeronaves (http://solutions.3m.com.br/wps/portal/3M/pt_BR/Aeroespacial/Home/), e se aquilo lá for algum tipo de adesivo é óbvio que não seja de papelaria no mínimo é aeroespacial.

6- É redundante explicar a segunda resposta.

7- Como dito o “celofane especial” está cobrindo a estrutura da nave, e na foto podemos observar que aquilo é somente uma espécie de manta térmica e a estrutura interior é um pouco visível.

8- Contraria a física ? a meu ver não pois o motor principal aparentemente está abaixo do centro de gravidade e gravidade da lua é cerca de um sexto da terrestre, já em relação ao controle... Em cada vértice do módulo há um pequeno grupo de retrofoguetes de hidrazina não visíveis nestas fotos pois está escura , do mesmo tipo daqueles utilizados pelo ônibus espaciais para controle

9- Cara você fez engenharia mecânica mesmo... Deve se lembrar do princípio da garrafa térmica... Lembra, o calor não se propaga no vácuo... Se propagasse não teríamos garrafas térmicas, risos... Então a única forma de condução seria por “condução” dos materiais, mas aí meu chefe não sabemos nada sobre a estrutura do módulo e as ligas envolvidas.

10- Nuvens de poeira na lua... Eu acho que esses produtores que fizeram esta farça entendiam muito bem de física... pois o que sustenta a nuvem de poeira aqui na terra é a atmosfera com sua pressão que se comporta como se fosse um fluido mantendo em suspensão as partículas de poeira... Já na lua explicar porque não havia nenhuma nuvem de poeira, os astronautas fizeram um experimento com uma pena e um martelo (http://fisicamoderna.blog.uol.com.br/arch2012-04-08_2012-04-14.html), alem disso os vídeos que mostram o vídeo do jipe lunar apresentam uns efeitos bem interessantes como a poeira que saia das rodas que iam bem alto más caiam tão rápido que pareciam estar molhadas.
Cara não vou perder mais meu tempo tentando consertar suas bobeiras deste seu blog...

Μασcισ Αζmειδα disse...

Amigo, Anônimo,
Eu li seu comentário à época, mas achei tão deslocado dos fatos narrados que nem achei relevante responder. Hoje eu reli seu relato é acho que vale explicar, não tanto a você, mas aos meus outros leitores:
Você simplesmente não entendeu (ou não leu) minha lógica.

Μασcισ Αζmειδα disse...

Amigo Anônimo,
Hoje resolvi reler seu comentário. Te agradeço pela manifestação, embora eu creia que você não tenha entendido bem o meu texto.
Se os princípios da Engenharia indicarem que um objeto PODE VOAR, pode até ser que ele caia, mas a chance de voar é muito grande.
Porém, se esses princípios indicarem que NÃO PODE VOAR, não se arrisque porque você vai cair. Este é o caso do suposto "módulo lunar".